Thursday, 21 February 2008

Design Gráfico virou moda ou febre como no Direito?



É impressionante se voltarmos no tempo, mais precisamente há uma década atrás, onde o design gráfico nem era tão vigente assim. Existiam algumas faculdades e uma grande dúvida sobre este profissional. E muitos ainda resumiam este profissional erradamente como um mero desenhista.

O fato, é que de lá para cá, cresceu absurdamente os cursos de design gráfico em vários segmentos, industrial, moda, web entre outros disseminando inúmeros cursos ligados à área.

Porém, algo ruim está acontecendo. O primeiro disso tudo, é que a profissão ainda não está de fato regulamentada ocasionando que alguns trabalhos não possam ser registrados em carteira com tal definição. Consequentemente não há amparo na lei para o recebimento de direitos trabalhistas por parte do governo, ou ainda, existe muita dificuldade para a assinatura da responsabilidade de projetos entre outras devido a este problema.

A própria definição do termo na língua portuguesa, onde concordo plenamente não ser tão grave assim, mas ela acaba sendo também um dos empecilhos para a sua regularização, que em hipótese alguma pode ser definida como um mero desenhista. Algo absurdamente errôneo e contrário à magnitude cabível a estes profissionais.

Por último, vejo um sério problema, e porque não dizer um ‘terror’. A criação dos inúmeros cursos de design gráfico no País tem preocupado não somente os já profissionais no mercado, como tem me chamado atenção para o seguinte dilema. Cursos de Design se tornaram moda ou febre como no caso das faculdades de Direito?

Digo isso, com a seguinte preocupação. Como no caso das graduações de Direito, onde foram abertas aos milhares, cursos e mais cursos, tivemos nos anos passados, a exemplo em 2007, uma reprovação gigantesca nos provões e inúmeras Instituições de Ensino tiveram seus cursos barrados pelo MEC. Motivo, a má aprendizagem neles e a falta de uma grade curricular coerente com a formação necessária dos discentes.

E os cursos de Design? Estão tomando o mesmo rumo, ou ainda, devem ser avaliados com provões? Fica a grande dúvida, como exigir um reconhecimento e regularização desta profissão neste atual momento. Quais mecanismos deverão ser articulados para resolver, o que a meu ver, já é um problema.

Que esta questão possa ser muito mais explorada.





0713

5 comments:

marcos rangel said...

Acredito que o está acontecendo na verdade seja um crescimento do mercado de design, como também acredito que; o que importa mesmo é o resultado final do trabalho, a conclusão do projeto. Os cursos de design, assim como as faculdades, nos dão base e conhecimento que só vem agregar valor e experiências que um profissional de design deve acresentar ao seu projeto. No mais, se é moda ou não, tanto faz, quanto mais profissionais na área, maiores as chances de mudar alguma coisa na situação com o governo e reforma na regularização dos direitos dos profissionais da área.

abraço,

willians de abreu said...

Interessante esta abordagem Marcos, vc é designer gráfico?



abs.

vinicius685 said...

A diferença entre o Direito e o Design Gráfico, é que não se encontra uma faixa numa escola de computação, ou semelhante, escrito: "Curso de Direito em seis meses!"
Na minha opinião, não só o curso virou moda, mas a palavra Design. E eu, pessoalmente, não acho isso interessante.

Willpubli said...

Agradeço seu feedback Vinicius.
Tks.

Erico Jr Design Grafico said...

Bom dia gostaria de lhe parabenizar pelo otimo blog as informações são de primeira eu já estou te seguindo peço que me siga também segue o link do meu blog que é um espaço para compartilhamento de informações sobre design, arquivos, marketing em geral:
http://maisword.blogspot.com.br/
Muito obrigado!