Wednesday, 29 April 2009

Banda larga no Brasil é uma questão de política pública?


Imagem: PDF (Dados IDC Barômetro Cisco de Banda Larga)


É impressionante, estamos chegando ao ano de 2010 e ainda sequer temos uma parte expressiva da população nacional usando a banda larga, onde segundo o estudo do Barômetro Cisco de Banda Larga, “a cada 100 brasileiros, 5,16% têm banda larga em casa. No Chile, a densidade é de 8,5% por habitante, enquanto na Argentina a densidade é de 7,8%”.

Como entender tamanha disparidade se o Brasil tem estado no topo dos países que mais horas passam conectados a rede, por outro lado, o que justifica o medíocre esforço público na melhoria e desoneração dos serviços de banda larga?

A resposta é uma só, nada justifica tamanho descaso. O que temos é realmente a falta de interesse público como também, sua pobre força de vontade em reverter este quadro.

Dizer alguma coisa é talvez uma crítica no vazio, haja visto, não termos até o momento um órgão fiscalizador dos serviços de banda larga, em sua maioria oferecidos por empresas do ramo da telefonia, e o pior, quando noticiado os péssimos serviços das mesmas como no caso da Telefônica e suas inúmeras paralisações, ninguém de fato cobra o ressarcimento dos usuários.

Não me estranharia se algum ‘abestalhado’ me acusasse por escrever críticas abusivas e sem fundamentos, afinal, se a banda larga no País ainda está este “lixo”, sai mais barato fazer ‘vista grossa’ diante do problema.

A pergunta que espanta ao mesmo tempo em que causa indignação, é até quando teremos umas das piores bandas de conexão do mundo pelo preço mais caro também?

Outro fato impressionante, é que em alguns lugares do país nem conexão chegou, como no caso do estado do Paraíba, onde apenas 3% dos paraibanos detém computadores, na maioria empresas e algumas repartições públicas. Sendo em volta de 8,2% das casas no Norte, e 8,8% no Nordeste, possuem acesso à rede mundial de computadores, conforme dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgados no fim de 2008.

Mesmo sendo o Sudeste a região mais privilegiada até o momento, está longe a qualidade ideal e o preço justo da banda larga no Brasil. É fato, o governo poderia dar inúmeros incentivos ao desenvolvimento da conexão de internet, o problema para isso, bem, esse é o problema, ninguém consegue explicar o por que de tanto descaso.

Na sua opinião, o Brasil precisa de uma política pública para desenvolver banda larga?




Imagem: my.opera.com



0713

Tuesday, 28 April 2009

Design e muito do Toy Art no “ScaryGirl”




Além de um game, o ScaryGirl também chama a atenção pelo refino no design e a fluidez com que roda o projeto desenvolvido pelo artista australiano Nathan Jurevicius, que desde 1994 tem trabalhado como um freelancer e artista ilustrador com muitas empresas internacionais e galerias.

O ScaryGirl, que já conta com um longa-metragem em desenvolvimento na “Passion Pictures Aus”, irá para as prateleiras em outubro deste mesmo ano como ‘toys’.





O enredo que enfatiza uma menina e seu ‘polvo gigante’ tem como missão, encontrar o vilão “DR Maybe” que com suas experiências procura assombrar os sonhos da menina.

Todas as personagens “ScaryGirl, Bunniguru, Chihoohoo, Blister, TreedWeller e DR Maybe”, além dos “toys” prometem mais. A menina, apesar do seu estereotipo “freak” e um olhar assustado recebeu uma certa leveza nos seus movimentos.





Nathan, que atualmente reside em Toronto, no Canadá, já destaca o advergame como um dos seus melhores trabalhos até o momento.

Gostei muito da fluidez do jogo no browser, com detalhes limpos e bem inseridos, o layout encanta, motivando o internauta a supri sua curiosidade a cada fase, vale lembrar que o carregamento é rápido, sendo mais um estímulo na interação com o game.



Imagem: ScaryGirl Toys (nas prateleiras ainda este ano)


Créditos do projeto:

Producer: Passion Pictures Australia, Sophie Byrne
Art Director/Creator: Nathan Jurevicius
Game Designers/Developers: Touch My Pixel - Tarwin Stroh-Spijer, Tony Polinelli
Game Animator: Renmotion - Suren Perera
Game Music & SFX, Trailer Music: Vishus Productions - Luke Jurevicius
Trailer Animation & Direction: Halo Pictures - Chris Hauge
Trailer SFX: Digital Artisan - Mike Darren
© Passion Pictures Australia/Film Victoria.







Para saber mais, acesse aqui.




0713

Friday, 24 April 2009

Hoje é o dia do Twitter Cartoon Day.


Imagem: Flickr Twitter Cartoon Day


A brincadeira se espalhou pelo twitter e hoje inúmeros avátares já atualizaram seus perfis com ícones dos diversos clássicos dos desenhos animados. Preferi fazer a minha homenagem ao grande “Zé Colméia” parceiro inseparável do “Catatau”.


“Tudo começou um dia quando o Paul Bradshaw usou um avatar do Dick Dastardly das Wacky Races, e eu sugeri organizarmos um dia só com avatares e fundos das nossas personagens de banda desenhada e animadas favoritas. Na altura, a minha modesta rede com pouco mais de 100 pessoas alinhou na brincadeira, especialmente do outro lado do Atlântico entre os twitters brasileiros, mas o Paul conseguiu mobilizar imensa gente no Reino Unido e nos Estados Unidos, criando-se um dos mais interessantes fenómenos virais dentro de de uma comunidade virtual até então. Lembrem-se que há um ano atrás não havia muita gente no Twitter, e na sua maioria eram profissionais de comunicação e de outras áreas “sérias”, que por um dia desataram a discutir as suas preferências em desenhos animados e as suas memórias de infância, em que liam livros de BD debaixo dos cobertores com uma lanterna, ou se punham cedo à frente da TV aos Sábados de manhã para ver as suas séries favoritas.” (Alexandre Gamela – twitterportugal/blog)



Imagem: Twitter Willpubli



Algumas pessoas sempre se perguntam qual a finalidade desses movimentos na web, resumidamente, nada além da diversão entre clãs, amigos e interesses em comum.

Para acompanhar as ‘twittadas’ do #toonday acesse aqui, lembrando que o tracker do ano passado foi #twittercartoonday.









0713

Thursday, 23 April 2009

Last.Fm volta atrás e retoma a cobrança aos usuários.




É meus caros, depois de tanto falar bem aos ‘quatro cantos do mundo’ sobre a “Last.FM”, uma das maiores redes sociais digitais de músicas da web, fui pego de surpresa ontem quando meu perfil foi travado.

No principio achei estranho, uma vez que, a própria Last.FM anunciou dois meses antes que não iria manter a idéia da cobrança sobre os usuários. Ora, depois de ouvir 1.469 artistas e o total de 13.188 faixas dos mais variados estilos nas vertentes “Rock N’ Roll”, “Grunge”, “MPB”, “Electro” entre outros, estou neste exato momento proibido de ouvir sequer minha própria lista, a não ser que eu pague os míseros €3.00 por mês.

Tudo bem, não é de fato uma quantia exorbitante, mas, não me parece também a melhor alternativa, haja vista, que todos os perfis cadastrados na Last.FM são inúmeros feedbacks para o mercado fonográfico, isto é, são eles os filtros do que pode e não pode dar certo.





Além do mais, o descobrimento de diversas novas bandas já se mostra uma das maiores virtudes da rede social, expressando bem o conceito do “Long Tail” criado pelo escritor “Chris Anderson”.

Ainda não posso dizer ao certo, qual será de fato o impacto desta medida em relação a continuidade e adesão dos antigos usuários x novos usuários, no entanto, ao sondar alguns amigos via twitter, a maioria foi incisiva em dizer que a crise seria um grande fator responsável para a devida tomada de decisão, pontuando todo o custo intrínseco na manutenção de um player tão requisitado mundialmente.




0713

Wednesday, 22 April 2009

Augmented Reality – Realidade aumentada, tendência ou momento?


Augmented reality



Já faz um tempo que algumas agências estão usando a tecnologia da “Realidade Aumentada” como estratégia de comunicação com públicos específicos, em suma, nichos relacionados a produtos com alta tecnologia como o lançamento do BMW Z4 entre outros.

A idéia consiste na impressão de um símbolo no centro de uma folha de papel, onde o usuário após direcionar sua webcan para o mesmo visualiza no seu computador ou celular figuras virtuais interagindo sobre o espaço físico em tempo real.

De um ano para cá, aumentou o número de marcas que utilizaram este recurso, principalmente nos lançamentos como forma de gerar um destaque especial, embora ainda, esta ação esbarre nos já conhecidos problemas de infra-estrutura no caso do Brasil.







Mesmo específica, a péssima banda-larga que nos é oferecida no País é determinante para iniciativas como esta vista em sua maioria nos E.U.A e Europa, no entanto, as várias ações indicam uma possível tendência no futuro próximo não apenas para o uso na propaganda, como também para livros, manuais, displays, entre outras aplicações.

Neste post, você poderá conferir algumas ações como a do BMW Z4 testada pelo brother Renato Di Giorgio em sua mesa de trabalho, os diversos exemplos citados no vídeo do site “Dailymotion” e a brilhante experimentação do “levelHead” e seus 3 cubos.









0713

Wednesday, 15 April 2009

Desenho animado israelense elogiado por alguns e odiado por outros satiriza palestinos.




Sempre me prendo a animações ilustradas, talvez pelas mesmas reterem atenção de tal modo, a ponto de inserir sua mensagem facilmente enquanto imagino outras faces no enredo. Porém, certas causas abordadas no contexto de algumas me preocupam quanto à veracidade dos fatos e a forma de retratarem os envolvidos.

Na semana passada, dois criadores israelenses Tom Trager (artista gráfico) e Or Paz (editor de vídeo) publicaram seis episódios recém criados no YouTube da série “Ahmed e Salim” filhos de um terrorista palestino, eles querem saber apenas de videogame.





Quando seu pai “Yasser Majhayeff” lhes passa uma ordem, os dois nunca a cumprem como deveria, em um dos episódios, “Ahmed and Salim” estão com um refém em sua casa, a criança seqüestrada começa a chorar clamando por jogar “Guitar Hero” em sua casa, os filhos de Yasser não se hesitam, começam a jogar o game com suas ‘guitarrinhas’ e logo se tornam amigos do refém. Yasser ao voltar, não contém sua raiva ao saber que seus filhos o soltaram.

Apesar de engraçada e bem feita, a série já causou polêmica no mundo árabe, onde segundo relatos dos autores para a BBC Brasil, o objetivo é fechar com alguma emissora de TV para que o seriado seja televisionado, no entanto, nenhuma emissora até o momento havia demonstrado interesse.








Por outro lado, ironizar tais situações pode também a meu ver, tornar tamanha circunstância algo ameno pelos menos no ponto de vista dos que não a vivem, na outra ponta, logicamente, permanecem os ofendidos e atacados palestinos que não são terroristas e sequer contribuem para tais atos, isto, passa ser encarado como ruim haja vista, a cultura e a ótica de povos envolvidos em sátiras como esta.

Para conferir os seis episódios clique nos links a baixo:

Ahmed & Salim Ep. 1
Ahmed & Salim Ep. 2
Ahmed & Salim Ep. 3
Ahmed & Salim Ep. 4

Thursday, 9 April 2009

“Se você tivesse escolhido diferente” – ECOEGO




Alguns projetos conseguem interagir com o usuário ao mesmo tempo em que educa, incentiva e prende sua atenção por preciosos minutos. O ECOEGO, desenvolvido pelos “Designers Marukinad” conseguiu definir bem essas atribuições atreladas à simplicidade dos traços em suas ilustrações.

Preocupado com o ambiente saudável, o projeto envolve o dia-a-dia de “Idid”, um ‘mascote’ simpático que vive no interior de uma árvore, sua missão é passar o dia sem stress e em bem com o meio ambiente.





Toda a energia gasta de forma errada, além de desperdício, polui e agride a natureza, o advergame criado para o “ECOEGO” ilustra bem isso.

Onde o usuário controla as atividades de “Idid”, escolhe sua ida ao mercado de bicicleta ou de carro, cuida do jardim, se alimenta, liga o ar e ainda faz de tudo para controlar o stress do ‘mascote’.





Ao final do time do game, o usuário recebe a seguinte mensagem: “Se você tivesse escolhido diferente, poderíamos viver agora em um ambiente saudável.

Os designers “Murukinad” já colecionam vários projetos no seu portfolio, com um ambiente de trabalho bem descontraído, os criativos japoneses inovam nos detalhes, confira aqui o site do escritório.

Para conhecer mais sobre o “ECOEGO” venha por aqui.




0713

Wednesday, 8 April 2009

Sobre pressão, aumenta as especulações do desfecho da compra do Twitter pelo Google.




É dado como certo por alguns blogs no mundo o futuro desfecho da compra do Twitter pelo Google. Embora seja comum toda a especulação que se tem em futuras aquisições como esta, normal quando falamos de dois fenômenos digitais, como o próprio Google e agora o Twitter, porém, é preciso aguardar um pouco mais para tamanha afirmação.

No entanto, após os rumores que Evan Williams (co-fundador do Twitter) na semana passada teria se negado de ao menos pensar a respeito por US$ 1 milhão de dólares, o site americano TechCrunch afirmava que o microbloging fora avaliado em US$ 250 milhões, e que o “gigante das buscas” teria retomado a pauta para resolver o impasse da aquisição da ferramenta.

Alguns analistas de tecnologia, já traçaram a provável mudança nas buscas feitas pelos usuários, uma vez que estes já estão se acostumando a usar o search da ferramenta através dos trackers “#” em sites que pesquisam todas as tags geradas a cada twittada.

Indicando uma mudança substancial na supremacia do Google nos dias atuais, podendo ser fortemente prejudicado nos próximos cinco anos, caso continue a crescente notoriedade do Twitter em meio aos usuários comuns, lembrando que de um ano para cá, a ferramenta teve um aumento de mais de 1300% no número de usuários cadastrados.

Hoje, além dos “heavy users” e usuários comuns, aumenta o número de empresas que adotaram a ferramenta como plataforma de relacionamento interno, ações de propaganda, pesquisas e outras utilidades.

Assim como o Google existe boatos sequer confirmados sobre a entrada da Microsoft na possível negociação de compra, esta informação além de não oficializada pela empresa, não parece verdadeira, uma vez que, a ferramenta influencia diretamente as buscas do Google e não necessariamente a empresa do “tio Bill”.

Outro ponto, é que o Google não deverá encontrar a mesma facilidade nas negociações de compra como no caso do Youtube há alguns atrás, tudo por que, a cobiçada ferramenta poderá sofrer alterações no seu formato até o fim do ano, sendo ainda mais valiosa no futuro.




0713

Monday, 6 April 2009

Ano em que o Radiohead se destaca como a melhor banda da atualidade completa 15 anos o fim do NIRVANA.


Foto: Show do Radiohead em São Paulo 2009 (via #multishow)


Este ano tem sido definitivamente um dos melhores para os ingleses do Radiohead, considerada a melhor banda da atualidade pelos críticos internacionais, após os destaques com suas estratégias digitais, a banda levou milhares de fãs no show em São Paulo.






Vídeo: Show do Radiohead em São Paulo 2009 (via youtube)


Depois de gerar mídia espontânea ao lançar seu último trabalho na rede, eles se superaram dando o direito aos fãs de escolherem o quanto pagar por cada faixa, sendo além de ousado, mais um marco no trabalho da banda.




Imagem: Poster do NIRVANA (via web, clique para ver o link)


A novidade para todos que infelizmente não puderam ir ao show está no Youtube, na semana passada foram disponibilizados em diversos channels do portal de vídeos o show quase que completo em alta qualidade “HQ”. Aos detentores de uma boa banda larga, vai a sugestão, armem a sua festinha, mas não esqueçam do som junto do telão.




Imagem: Cena do clip "You Know You're right" - Nirvana (clique para assistir o vídeo no Youtube)


Outro fato importante foi o aniversário de quinze anos da morte do líder do NIRVANA “Kurt Cobain”, aos adolescentes da época como eu, ficou o vazio de um momento histórico no rock, mas precisamente na cena “grunge”.

O Nirvana não só foi o pioneiro a encabeçar a notoriedade do estilo no início da década de 90, como também foi o responsável pela ascensão de outras bandas, por exemplo, o próprio Pearl Jam e Soundgardem, ambas cresceram juntas com os “revoltados” de Seattle.

Não há dúvidas que o legado do Nirvana permanecerá ainda por longos anos, e por que não dizer para sempre, uma vez que o grunge nunca mais voltou a ser o mesmo após o fim da banda e seus sessenta milhões de cópias vendidas pelo mundo.


video


Neste domingo passado, o canal Multishow apresentou um documentário sobre as últimas 48 horas de Kurt em 1994.







0713



Aprovado internet na rede elétrica.



Desde de 2007 já se discutia o porque da conexão não ser disponibilizada via rede de energia elétrica, o impasse até então, ficava por conta da não aprovação da Anatel e a possível perda na velocidade de conexão por questões técnicas, em relação aos componentes da rede elétrica e a transmissão de dados pela mesma

Na semana passada, a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) finalmente regulamentou as regras de uso da rede elétrica para acesso à internet com banda larga.

A agência regulamentadora aposta na maior competição entre os provedores como também a expansão dos serviços, o que beneficia a chegada da banda nos lugares mais longínquos. As licenças já estão disponíveis para as empresas interessadas.




0713

Wednesday, 1 April 2009

Digitalmash – “I’m guy” | Inspire-se!


Foto: O fotógrafo e designer gráfico australiano Rob Morris

É sempre bom ver ótimos projetos digitais, sempre vou navegando atrás de um e quando acho, não hesito em compartilhá-lo. Entre um post e outro quero voltar a trazer as dicas de grandes trabalhos, refinados e com uma boa pitada de design.





Claro que é justo dizer que muitas dicas vão além da pesquisa pessoal, e sim, de nobres parceiros criativos, outras originárias da “twittolândia” e algumas caem por acaso quando estou dando uma “googlada” na rede.

A de hoje é justamente mais que um bom ‘aperitivo’ para a sua inspiração, embora tenha uma linha simples, o trabalho do fotógrafo australiano Rob Morris salta aos olhos no seu próprio site.





Tudo por que, ele trabalhou com o seu próprio portfolio, usando-o na formação dos elementos em cada página, 'hora' no topo, 'hora' como ícone das páginas, Rob mostra sua sensibilidade e a coerência em diferenciar seu trabalho de maneira intuitiva atrelada à criatividade.





No site, ele ainda ironiza se auto intitulando “Eu sou o cara”, brincadeira ou não, Rob já trabalhou em projetos para departamentos governamentais, Broadway.com, HiiDef, para o artista de hip hop Jay-Z entre outros.





Seu trabalho utiliza formas simples e uma tipografia bem "clean", ambos tanto na mídia impressa como no digital, algumas peças já passaram por galerias, revistas e livros pelo mundo.

No mais, vá você mesmo tirar suas impressões, acesse aqui.





0713