Tuesday, 8 April 2008

Desabafos 53 – “Câncer Maldito”



Destrutivo maldito,
carnívoro insaciável.
Asqueroso infeliz,
maléfico corrói.
Aniquila sem pena,
é triste ruim.
Um ente desfalecido.

Que luta,
busca viver.
Na esperança,
acordar bem.
Vem à noite,
o desespero.
Não há cura.

Você ainda linda,
esqueça o cabelo.
Preserve seu sorriso,
ignore as marcas.
Vença a tristeza,
dores que te cercam.
Mantenha vivo o sorriso.

Seu tesouro,
em outro lugar.
Longe do desânimo,
desta maldade.
Lembre-se de mim,
aperte a minha mão.
Descanse na imensidão.




willians de abreu

2 comments:

Fernando Cury "o Pandão" said...

duca!!!

Parabéns pelo poema!

will publi said...

muito obrigado fernando!